Victor Colonese recebe bronze dos Jogos Pan-americanos Lima 2019 após sete meses de espera

Atleta das maratonas aquáticas herdou medalha após desclassificação de nadador argentino; cerimônia de premiação foi realizada na Unisanta, em Santos (SP)

Victor Colonese recebe bronze dos Jogos Pan-americanos Lima 2019 após sete meses de espera
Foto: Flávio Hopp/COB
29/01/2021 0 52

(Santos, 29 de janeiro de 2021) O dia 29 de janeiro de 2021 ficará marcado para sempre na memória de Victor Hugo Ribeiro Colonese. Data em que o nadador baiano, de 29 anos, recebeu a medalha de bronze dos Jogos Pan-americanos Lima 2019, na prova de 10km das maratonas aquáticas, em cerimônia realizada na Unisanta (SP), clube do atleta. A medalha foi entregue pelo diretor geral do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e campeão olímpico de judô, Rogério Sampaio, acompanhado do Secretário de Esportes de Santos, Gelásio Ayres Fernandes Junior.


“É um momento único na minha carreira. Estou muito feliz com tudo: o evento, a cerimônia, a medalha. Fui o único a ter recebido esse bronze, mas por trás de tudo tem uma equipe gigante ao meu redor, trabalhando por mim. Essa medalha também é da minha família, do meu clube e dos meus patrocinadores”, celebrou Colonese.


“O Colonese merecia uma cerimônia como essa. Ele seguiu trabalhando duro mesmo depois do resultado não ter vindo no dia, esperou pacientemente a medalha após a confirmação da realocação e sempre esteve tranquilo, colaborando com todos os processos. Um bom exemplo do verdadeiro espírito olímpico”, afirmou Rogério Sampaio.


O atleta ainda foi agraciado com o Ginga, mascote do Time Brasil, das mãos do pró-reitor administrativo da Unisanta, Marcelo Teixeira; e do presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Luiz Fernando Coelho.


“É com muita satisfação que a CBDA participa desse evento que coroa o ciclo de treinamento, esforço e trabalho em equipe. Todos contribuem para essa medalha chegar aqui. O staff e a família são fundamentais para que o atleta chegue ao seu objetivo. Serve de exemplo para milhares de atletas e gestores, que todos somos capazes de conquistar grandes coisas”, disse Luiz Fernando Coelho.


“Conhecemos o Victor Colonese desde criança, passou pelo nosso colégio, se formou como engenheiro na instituição. Acompanhamos seu crescimento na piscina e também fora dela, como profissional. O Colonese é um exemplo para os mais de 2.500 alunos de natação da Universidade Santa Cecília (Unisanta)”, completou Marcelo Teixeira.


Colonese herdou a medalha de bronze nos 10km após a desclassificação do argentino Guillermo Bertola, então segundo colocado, que cometeu uma infração nas normas de controle antidopagem da Federação Internacional de Natação (FINA). A decisão da realocação da medalha foi confirmada no dia 1° de julho de 2020, após o COB receber um comunicado oficial da Panam Sports, entidade máxima do esporte no continente, anunciando que a suspensão de Bertola pela FINA implicava na anulação de seus resultados nas temporadas 2018 e 2019. Com isso, o brasileiro, que havia terminado na quarta colocação em Lima, com o tempo de 1:54.03.6, ganhou uma posição.


“Tem alguns momentos que não vão sair da minha memória. O momento da chegada da prova em Lima, a espera até a confirmação do terceiro lugar no Pan e, é claro, receber a medalha no dia de hoje”, falou Colonese.


Com mais essa conquista, o Brasil volta a ter 169 medalhas em Lima 2019: 54 ouros, 45 pratas e 70 bronzes. Foram três pódios nas maratonas aquáticas: além do bronze de Colonese, Ana Marcela Cunha foi campeã da prova feminina e Viviane Jungblut, terceira colocada. Colonese ainda igualou o conterrâneo Allan do Carmo, bronze no Rio 2007, como segundo atleta masculino a conquistar uma medalha na modalidade em Jogos Pan-americanos.


Esta foi a melhor campanha do Time Brasil na história do Pan, em número de ouros (54) e total de medalhas (169). Pela primeira vez desde São Paulo 1963, o Brasil terminou o evento em segundo lugar no quadro geral de medalhas, atrás somente dos Estados Unidos. E, por fim, conquistou 29 vagas para os Jogos Olímpicos de Tóquio.


Veja os detalhes da entrega



Publicado pela Plataforma SGE da Bigmidia - Gestão Esportiva com Tecnologia

A Plataforma SGE é um Sistema de Gestão Esportiva desenvolvido para Confederações e Federações Esportivas. Saiba tudo sobre o funcionamento de um sistema de gestão esportiva e conheça melhor o SGE!