WADA-AMA faz alterações no código antidopagem para 2021

Presidente do Comitê Antidoping da CBDA, Fernando Solera explica as mudanças

WADA-AMA faz alterações no código antidopagem para 2021
Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA
05/02/2021 0 69

(Rio de Janeiro, 5 de fevereiro de 2021) A Agência Mundial Antidopagem (WADA-AMA, sigla em inglês) fez modificações na chamada “Lista Proibida”, que visa um esporte sem uso de substâncias que não sejam condizentes a saúde dos atletas, a igualdade nas competições e a ética no esporte. As duas principais mudanças são relacionadas ao “Período em Competição” e às “Substâncias de Abuso”.


As mudanças foram aprovadas no Comitê Executivo da WADA em setembro de 2020 e passaram a valer a partir de 1º de janeiro deste ano. Uma das mudanças foi a concepção de “Período em Competição”.


De acordo com o presidente do Comitê Antidoping da CBDA, Fernando Solera, o “Período em Competição” deverá ser iniciado antes da meia noite do dia anterior à competição em que o atleta está programado para competir até o fim da competição e todo o processo de coleta de amostras para o controle de doping.


“O conceito "em ou fora de competição" tem fundamental importância, pois algumas substâncias são proibidas somente em competição (S.6 Estimulantes, S.7 Narcóticos, S.8 Canabinóides, S.9 Corticoides)”, disse.


“Outras substâncias são proibidas o tempo todo, “em e fora de competição”, como (S.1 Agentes Ababolizantes, S.2 Hormônios Peptídicos, fatores de crescimento, S.3 Beta 2 Agonistas, S.4 Hormônios e Moduladores Metabólicas, S.5 Diurético e Agentes Mascarantes”, completou.


Outra mudança feita pela WADA e alertada pela ACODEPA é em relação às “Substâncias de Abuso”. As substâncias de abuso, a partir de 1º de janeiro, passaram a ser: mdma (ecstasy), heroína, cocaína e maconha.


Solera explica que, por definição, para fins de aplicação de sanções aos atletas, as “Substâncias de Abuso” incluem substâncias proibidas que são identificadas especificamente neste critério, devido ao uso frequente delas na sociedade e fora do contexto esportivo.


“No entanto, é preciso ter atenção ao Código Mundial 2021, que diz no artigo 10.2.4.1 que, “se o atleta puder demonstrar qualquer ingestão fora de competição e não está relacionado ao desempenho esportivo, então o período de inelegibilidade será de três meses”, falou.


A CBDA apoia o Jogo Limpo e trabalha para um esporte sem doping.


“É muito importante que todos os atletas estejam atualizados com as novas diretrizes do código mundial 2021. Nós da CBDA estamos buscando trabalhar em harmonia com o novo CÓDIGO e assim seguindo o pilar educacional, vamos informar os nossos atletas”, finalizou Solera.


Publicado pela Plataforma SGE da Bigmidia - Gestão Esportiva com Tecnologia

A Plataforma SGE é um Sistema de Gestão Esportiva desenvolvido para Confederações e Federações Esportivas. Saiba tudo sobre o funcionamento de um sistema de gestão esportiva e conheça melhor o SGE!